PT | EN
SINOPSE

Rússia, Ucrânia e Polónia: viajamos num comboio fantasma a caminho dos campos de extermínio. Presente? Passado? Futuro? As vozes dos sobreviventes relatam aquilo que não é possível mostrar em imagens. Só é possível imaginar.

«Os vagões tristes levam-me para aquele lugar. Vêm de todas as direções: leste, oeste, norte, sul. De dia e de noite. Os vagões chegam sem parar.»

«Houve um tempo em que também sonhei. Sonhei que este passado nunca mais voltaria. Mas estava enganada. Esse passado está sempre aqui. Até hoje tenho horror a estações de comboio, linhas férreas, vagões. É como se todos os comboios me levassem para Auschwitz, Dachau, Treblinka.»


 

 

AS FONTES
TREBLINKA ouve as vozes de vários testemunhos do extermínio. A parte principal corresponde a excertos das memórias de Chil Rajchman cuja publicação teve lugar já neste século, após a morte do autor.
Chil Rajchman, um judeu polaco, foi detido com a irmã mais nova em 1942 e enviado para Treblinka, um campo onde foram exterminadas mais de 750.000 pessoas. Mal chegaram, a sua irmã foi enviada nas câmaras de gás, mas Chil Rajchman escapou à execução, trabalhando sob ameaças e espancamentos contínuos durante dez meses como barbeiro, separador de roupas, carregador de cadáveres, arrancador de dentes.
Em Agosto de 1943, houve uma revolta no campo e Rajchman foi um dos poucos que conseguiu escapar vivo. Em 1945, passou a escrito este testemunho único, que só foi publicado pelos seus filhos no início do século XXI.


NOTA DO REALIZADOR

Treblinka é um filme que se foi construindo lentamente, num processo que não tinha um plano pré-estabelecido.

Há cerca de cinco anos escrevi um projecto de documentário sobre uma sobrevivente do Holocausto, Marceline Loridan-Ivens – a viúva de Joris Ivens – enviada aos 13 anos para os campos de Auschwitz-Birkenau. Perdeu o pai em Auschwitz e trabalhou como prisioneira em Birkenau. A experiência marcou-a para toda a vida.

Quando encontrei Marceline pela primeira vez, reconheci e admirei nela a sobrevivente. Muitas das testemunhas do horror absoluto puseram fim à vida enquanto estavam nos campos; muitas outras suicidaram-se depois de regressarem à vida normal.

Inicialmente, eu tinha a intenção de construir um documentário baseado em conversas e focando essencialmente as memórias de pessoas desaparecidas, mortas, que acompanham os sobreviventes ao longo da vida. Como fantasmas.

Marceline costumava dizer: “Odeio comboios, não importa para onde vão”. Ela sentia que todos os comboios se dirigiam para Auschwitz. Numa tentativa de evocar esse lugar impossível entre a vida e a morte, decidi rodar o filme a bordo de comboios de longa distância na Europa do Leste. O conjunto das filmagens realizou-se em três países: Polónia, Rússia e Ucrânia.

Tratando-se do Holocausto, era expectável que todas as filmagens decorressem em comboios polacos ou nos diversos campos que visitei durante a minha pesquisa - Treblinka, Auschwitz, Birkenau, entre outros. Mas o turismo de massas que se apoderou dos centros de memória do Holocausto perturbou-me e levou-me a pensar sobre a banalização do horror absoluto, que poderia ser um equivalente perverso da banalidade do mal, estudada por Hanna Arendt.

Totalmente em contraste com o turismo organizado do Holocausto, estão duas experiências muito fortes que tive ao ler textos importantes sobre os campos da morte: Treblinka : a survivor’s memory, de Chil Rajchman (mal conseguia respirar enquanto lia) e a investigação de Gitte Sereny Into That Darkness, com centenas de horas de entrevistas cruzadas centradas em Frank Stangl, o comandante-chefe de Treblinka.

A leitura desses livros fortaleceu em mim o sentimento de que as palavras podem ser mais fortes que as imagens. Sobretudo hoje, quando as imagens do horror se tornaram tão banais.

Ao mesmo tempo, nestes últimos anos, com a actualidade da guerra na Síria, o lado mais negro da humanidade – em todo o seu horror e indiferença – esteve sempre presente enquanto eu trabalhava neste filme. Creio que viver entre fantasmas é uma experiência partilhada por homens e mulheres de muito diferentes. Todos os que sobreviveram a um massacre: as vítimas dos campos Nazis, mas também os sobreviventes de genocídios no Cambodja, no Ruanda, na Bósnia ou, mais recentemente, na Síria e no Iraque.

Treblinka é um filme de vozes e de corpos nus, a maior parte das vezes reflectidos nas janelas de um comboio. O público pode sentir-se desconfortável com a estética das imagens. Pode parecer contraditório falar do horror utilizando imagens belas. Mas, ao longo da história da arte, a beleza tem sido sempre utilizada para retratar as mais horrendas situações. E é através desta forma de expressão que é possível evocar e reflectir.

Quase todos os textos deste filme são traduções russas das memórias de Chil Rajchman; algumas outras são conversas de que me recordo ter tido com sobreviventes.

«Quem sou eu?» e «Por que continuarei a viver?» são questões repetidas sem fim pelos que resistem.

- Sérgio Tréfaut

 

FICHA TÉCNICA

TREBLINKA é um filme baseado nas memórias de Chil Rajchman, “Treblinka: a survivor’s memory” (© “Je suis le dernier juif”, Editions des Arènes)


 

com
Kirill Kashlikov
Isabel Ruth

voz feminina
Nina Guerra

acordeonista
Vitaly Koindratenko

imagem
João Ribeiro

som
Miguel Moraes Cabral

som adicional
Olivier Blanc

montagem
Pedro Marques

realização
Sérgio Tréfaut

produção
Catarina Almeida
Sérgio Tréfaut

produção executiva
Ukraine Toy Pictures
Elena Lysenko

correção de cor
Paulo Américo
Bikini


montagem de áudio e misturas
Branko Neskov
Loudness Films

música
Hino da União Soviética
Aleksandr Alexandrov

Oração
El Malei Rachamim
por Chief Cantor Shai Abramson

Preludio em mi menor
Dimitriy Shostakovich
interpretado por
Vitaly Koindratenko original

música
Alfredo Costa Monteiro

uma produção
FAUX

formato
DCP (cor)

duração
61 min.

apoio financeiro

icon icon icon

distribuição internacional
ptfilms

Portugal Film - Agência Internacional de Cinema Português
www.portugalfilm.org

 

 

 

SÉRGIO TRÉFAUT

Sérgio Tréfaut nasceu no Brasil em 1965. Após um mestrado em Filosofia na Sorbonne (Paris), começou a trabalhar em Lisboa como produtor e realizador. Os seus documentários foram premiados internacionalmente e exibidos em mais de 40 países. Quase todos, como Outro País (1999), Fleurette (2002), Lisboetas (2005), A Cidade dos Mortos (2009), Alentejo, Alentejo (2014) tiveram distribuição em salas de cinema. A sua primeira ficção, Viagem a Portugal (2011), com Maria de Medeiros e Isabel Ruth, recebeu vários prémios internacionais.

 

Mais info e filmografia: faux.pt

 

PRÉMIOS E FESTIVAIS

• Seleção Oficial Indielisboa 2016 PRÉMIO MELHOR LONGA METRAGEM PORTUGUESA

• Seleção Oficial Panorama de Cinema de Salvador 2016 PRÉMIO ESPECIAL DO JURI INTERNACIONAL

• Nomeação Prémios Iberoamericanos Fenix 2016 MELHOR FOTOGRAFIA

• Seleção Oficial Visions du Réel (Nyon – Suiça) 2016

• Seleção Oficial Message to Man – São Petesburgo 2016

• Seleção Oficial Mostra de Cinema de São Paulo 2016

• Seleção Oficial Festival Internacional de Cine de Ourense 2016

• Seleção Oficial Festival de Direitos Humanos de Viena 2016

• Seleção Oficial Festival Internacional Punto de Vista 2017

• Seleção Oficial Festival Internacional de Cartagena 2017

• Seleção Oficial Festival Internacional de Edimburgo 2017

• Seleção Oficial Festival Internacional de Montevideo 2017

CONTACTOS

Calçadinha do Tijolo 48, 2º - 1100-608 Lisbon, PORTUGAL
Email: faux@faux.pt